Análise de sua planilha de estudos: como fazer e aumentar seu desempenho?

Aprenda a fazer uma análise sobre os dados registrados na sua planilha de estudos e aumente o seu desempenho.


Quando iniciamos a estudar para concursos públicos, temos em mente que devemos nos organizar. A partir daí, ao longo dos meses, vamos incorporando à nossa rotina alguns meios de fazer isso. Assim, criamos planilhas, montamos ciclos de estudos, cronometramos nossas horas líquidas e registramos nosso percentual de acertos nas questões. Porém, a pergunta que propomos hoje é: o que você faz com tudo isso?


A verdade é que não basta acumular dados e estatísticas se em momento algum você parar para analisá-los. Afinal de contas, não é o registro em si mesmo, de tantas informações sobre o seu estudo, que antecipará a sua aprovação, mas sim a utilização dessas ferramentas a seu favor: para adaptar seu cronograma e melhorar seu desempenho.


Por conta disso, buscamos, nesse artigo, questionar você sobre o porquê de você utilizar determinadas ferramentas de estudo. Além disso, queremos incentivar que, a partir de então, suas próximas metas levem em consideração o que as estatísticas demonstrarem.


Análise do número de páginas lidas


A análise de quantas páginas você consegue ler em determinado período de tempo pode servir para vários objetivos. A partir dela, você pode identificar a maior complexidade de determinados conteúdos, a necessidade de tempo maior para revisão futura e o seu nível de segurança no assunto.


Ao mesmo tempo, se você cria o hábito de registrar o seu tempo de leitura, poderá também identificar os dias ou os turnos em que você está com menos concentração. Com isso, compreenderá o motivo de alguma dificuldade maior em algum conteúdo e, ainda, poderá organizar sua rotina para, dentro do possível, estudar em horários nos quais você consegue apreender melhor a matéria.


Nesse sentido, vale lembrar também que o tempo de leitura de um mesmo número de páginas pode variar a depender da disciplina ou dos assuntos estudados, do seu nível de conhecimento do conteúdo e da sua afinidade com a disciplina.


Assim, se você ainda não sabe em qual matéria você tem mais facilidade, poderá identificar a partir disso e, também, através da análise de seu percentual de acertos nas questões. Saber disso pode, inclusive, indicar a matéria pela qual você deve iniciar as suas provas de concurso, de modo a começar pelas disciplinas que lhe gerem mais confiança para resolver as demais questões.


Nesse sentido, sugerimos que você estabeleça previamente o tempo que dedicará para o estudo do material (e, posteriormente, registre o número de páginas lidas) ou, então, que você determine o total de páginas que você pretende ler naquele dia (caso em que, após a conclusão da leitura, você deve registrar o tempo que levou).


Após algum tempo, como, por exemplo, uma semana, analise seus dados, identifique os dias em que você procrastinou (e o porquê) e, por fim, planeje seus próximos dias levando essas estatísticas em consideração.


Análise do percentual de acertos nas questões


O registro do número de questões realizadas, juntamente com o número de erros e acertos, a cada vez que você realiza uma bateria de exercícios, pode fazer uma grande diferença no seu estudo. No entanto, para isso, é necessário que você analise os dados e, a partir daí, tome algumas decisões.


Por exemplo: se você identifica que seu percentual médio de acertos é de 80% e, de repente, percebe que acertou apenas 60% nas questões de algum assunto, é hora de acrescentar alguma revisão a mais sobre aquele conteúdo.


Por outro lado, se você percebe que está alcançando em torno de 90% de acertos em alguma matéria, resta claro que será necessário dedicar menos tempo para revisá-la posteriormente: bastará uma revisão dinâmica para aprimorar alguns pontos, de modo que você poderá reduzir a carga horária dessa disciplina, no seu cronograma, e aumentar a de outras, nas quais você tem mais dificuldade.


Cuide, porém, para não supervalorizar o percentual obtido. Se você tiver um desempenho muito abaixo do esperado em algum conteúdo, não desanime. Pelo contrário: essa é a hora de identificar suas deficiências no estudo. Assim, a motivação deve ser justamente no sentido de acrescentar revisões e mais exercícios daquela matéria, adaptando seu ciclo de estudos para isso.


Análise do registro de horas líquidas


A contabilização de horas líquidas é um hábito de muitos concurseiros, que interrompem o cronômetro a cada ida ao banheiro ou pausa para café. É a forma de concluírem quanto tempo está sendo efetivamente dedicado ao estudo no dia-a-dia (e quantos minutos estão sendo desperdiçados em razão da procrastinação).


No entanto, há estudantes que se sentem desconfortáveis quando o cronômetro está ligado, por estudarem com mais pressa e, consequentemente, com menos qualidade. Assim, em vez de o cronômetro ser um aliado contra a procrastinação, acaba sendo um verdadeiro peso para os que lutam contra ela.


Nesse sentido, a conclusão que fica é: aprenda a respeitar os seus limites e conheça aquilo que o auxilia de verdade. Se você se sente confortável em contabilizar suas horas líquidas, continue assim e observe seus resultados. Busque extrair as conclusões necessárias para identificar seu nível de preparação e adaptar seu próximo ciclo de estudos.


Além disso, lembre-se de, ao menos no que se refere ao estudo para concursos, qualidade é, sim, mais importante do que quantidade. Isso resta claro quando se percebe que de nada adianta “esgotar um edital” se você não absorver, de fato, o conteúdo estudado. Assim sendo, foque em estudar com qualidade no tempo que você tiver disponível: seja ele de uma ou cinco horas. É isso que gerará resultados e um aumento considerável no seu percentual de acertos nas questões.


Planeje e cumpra


Por fim, compreenda que não há uma regra a ser seguida. Todas as ideias mencionadas aqui devem ser consideradas, justamente, como ferramentas a seu favor.


De nada adianta uma planilha de ciclos de estudos esteticamente bonita, com diversos campos para preenchimento, se você, no fim das contas, não dá conta de analisar os dados e, principalmente, cumprir suas metas.


Assim, não tome isso tudo como mais uma pendência a ser cumprida no seu cotidiano já tão atarefado. Entenda o motivo pelo qual se recomenda essas ferramentas e opte por aquelas que fizerem sentido para você.


Há muitos aprovados que estudaram apenas com base em um simples cronograma de metas mensais e um bom material. Por outro lado, há muitos que incorporaram à sua rotina outros tantos instrumentos de estudo e diferentes análises estatísticas que os ajudaram também.


Com base nisso, entenda que há diferentes perfis de estudantes e saiba que a decisão de registrar seu percentual de acertos, páginas lidas ou horas líquidas, deve ser, antes de tudo, pessoal. No entanto, se decidir fazer isso, não se esqueça: analise os dados e extraia deles todas as conclusões possíveis para adaptar o seu cronograma à sua realidade e chegar, enfim, à aprovação. Afinal de contas, é isso o que todos nós buscamos.


Bons estudos!


Nathália Reyes

--

FONTE: https://www.estrategiaconcursos.com.br/blog/analise-de-sua-planilha-de-estudos/

Sistema de Ensino Planeja Concursos - CNPJ 31.442.657/0001-32

atendimento@planejaconcursos.com

© 2014 - 2020 Planeja Concursos